Veja como seus filhos podem fugir das telas com outros estímulos

As ruas outrora povoadas por crianças brincando e praticando esportes deram lugar a uma nova realidade: as brincadeiras virtuais. Joguinhos, conversas, filmes, séries e outras dinâmicas – todas desenroladas diante das telas eletrônicas.

Esta tendência preocupante tem levado muitos responsáveis a buscar formas de monitorar o uso do celular por parte dos filhos. A preocupação é fundamentada em dados concretos: segundo a última pesquisa do Panorama Mobile Time/Opinion Box, 79% das crianças brasileiras de 0 a 12 anos passam em média 3 horas e 53 minutos por dia utilizando o celular.

Uso excessivo de telas

criança acessando redes sociais
Imagem: fizkes / shutterstock.com

Este tempo excessivo diante das telas pode interferir negativamente em áreas cruciais do desenvolvimento infantil, como alerta a especialista Mônica, enfatizando o risco de obesidade, distúrbios do sono e comportamentos agressivos ou ansiosos.

Veja também:

Procurando um filme de ficção científica? Confira 7 para assistir na Max

Contudo, monitorar o celular do filho pode não ser a solução mais eficaz. Especialistas no assunto oferecem alternativas para motivar as crianças a explorarem estímulos além das telas.

Dicas de outros estímulos

  1. Tédio ajuda?: A psiquiatra Danielle H. Admoni sugere permitir que a criança fique entediada, incentivando-a a buscar estímulos por conta própria. Propor atividades progressivamente autônomas pode evitar a dependência excessiva da presença dos pais.
  2. Outras brincadeiras: Brincadeiras que não envolvam eletrônicos são benéficas. Presentear a criança com brinquedos tradicionais como jogos de construção, massinha de modelar, pinturas, quebra-cabeças e brinquedos artesanais é uma estratégia eficaz.
  3. Atividades externas: Investir em passeios ao ar livre, como idas ao parquinho ou à pracinha, promove exercício físico e interação social, fundamentais para o desenvolvimento infantil.
  4. Desafios e solidariedade: Propor desafios e envolver a criança em atos de solidariedade, como a doação de brinquedos ou roupas, promove o desenvolvimento emocional e a sociabilidade.
  5. Leitura: Para crianças mais velhas, a leitura é uma excelente alternativa. Pais devem participar dos momentos de leitura, estimulando o interesse pelos livros.
  6. Participação e interesse: Demonstrar interesse pelas atividades escolares dos filhos é fundamental, oferecendo ajuda quando necessário e elogiando seus progressos.
  7. Cronograma digital: Estabelecer um cronograma semanal que inclua tempo dedicado às telas, além de outras atividades, promove disciplina e organização.

Por fim, é importante ressaltar que a aplicação dessas dicas deve considerar a idade e maturidade da criança. Adaptações podem ser necessárias para garantir que as atividades propostas sejam adequadas e estimulantes.

Imagem: ViDI Studio / Shutterstock.com

Relacionadas