Serviços de VPN serão PROIBIDOS em 2024? Entenda

Desde que a Rússia proibiu o Instagram e o Facebook (em março de 2022), serviços de monitoramento da internet registram um fenômeno curioso no país: o aumento da procura por aplicativos que oferecem recursos de VPN (Virtual Private Network).

Essa movimentação indica que, desde o bloqueio das redes sociais da Meta, os russos estão buscando métodos para continuar acessando essas plataformas, e um deles é por meio de aplicativos capazes de ‘burlar’ as restrições.

Vale lembrar que a tecnologia VPN é uma rede de conexão privada que opera sobre uma rede pública. O uso desse recurso protege a conexão com a internet contra acessos não autorizados, garantindo a segurança dos dados e dificultando o acesso de terceiros. Dessa forma, os usuários russos passaram a utilizar esses serviços para usar suas redes sociais sem o impedimento pelo bloqueio governamental.

Serviços de VPN serão proibidos?

Ao identificar que os russos utilizavam recursos de VPN para desrespeitar a proibição e acessar as redes sociais da Meta, o governo do país iniciou uma movimentação para restringir e limitar a oferta desse tipo de tecnologia. A ideia do Kremlin (sede do poder russo) é reduzir ao máximo a promoção e a disponibilidade desses serviços na região.

De acordo com o RIA, site de notícias russo, o Roskomanadzor, órgão federal de supervisão de comunicações, planeja proibir todos os serviços de VPN do país a partir do dia 1º de março de 2024. A informação, segundo o veículo, foi divulgada pelo senador Artem Sheikin.

Além disso, as autoridades russas também já estariam em contato com as lojas de aplicativos (como Play Store e App Store) para que aplicativos que ofereçam o recurso de VPN fiquem indisponíveis até a data definida pela entidade supervisora. Caso esse pedido seja negado, as empresas que gerem as lojas virtuais podem ter suas atividades suspensas no país.

Homem segurando celular com a palavra 'VPN' na tela
Imagem: StefanCoders / Pixabay.com

Proibição das plataformas da Meta na Rússia

A medida imposta pelo governo russo visa “blindar” a população do país das plataformas com conteúdo considerado “proibido,” como as da Meta. Inclusive, o senador Sheikin chegou a declarar que “é especialmente importante restringir o acesso dos cidadãos aos produtos da Meta, uma organização extremista reconhecida.”

Veja também:

Novo modelo do PS5 será menor; entenda

Vale lembrar que a Rússia entende que alguns serviços de empresas ocidentais são uma oposição à sua própria narrativa, e por isso proíbe que seus cidadãos tenham acesso a determinados conteúdos.

Imagem: StefanCoders / Pixabay.com

Relacionadas