Redes sociais começaram a cobrar taxa para os usuários? Entenda

Você pagaria uma mensalidade para navegar nas suas redes sociais sem precisar ver nenhuma propaganda? Embora pareça uma realidade distante, isso pode estar prestes a acontecer – pelo menos na Europa.

A Meta, a gigante da tecnologia por trás dos serviços Instagram, Facebook e WhatsApp, está planejando implementar taxas para os usuários que desejam navegar sem contato com qualquer tipo de anúncio ou publicidade.

Apesar de ainda ser uma especulação, fontes ligadas à empresa americana divulgaram informações sobre a iniciativa nas últimas semanas e até revelaram os valores que podem estar envolvidos nas novas taxas.

Veja também:

Perfis não verificados do Twitter podem perder direito de comentar em posts; entenda

Taxas nas redes sociais?

Conforme divulgado, a Meta planeja estipular o valor de 14 euros por mês (cerca de R$ 77) para usuários que desejam se livrar dos anúncios no Instagram ou no Facebook. Além disso, a empresa ofereceria uma opção de 17 euros (cerca de R$ 93,50) para aqueles que desejam remover a publicidade das duas redes sociais ao mesmo tempo. Esses valores correspondem aos computadores de mesa e notebooks.

Vale lembrar que esses números são para cada conta. Portanto, quem tiver interesse em adicionar mais de um perfil poderá pagar uma taxa adicional de 6 euros (cerca de R$ 32).

Já para dispositivos móveis (celulares e tablets), o acréscimo que está sendo estudado é de 3 euros (cerca de R$ 16). Dessa forma, usuários que desejam retirar os anúncios de apenas uma plataforma terão que desembolsar R$ 91 por mês, e aqueles que optarem pelo “combo,” R$ 108.

Redes sociais da Meta
Imagem: Reprodução / Meta

Anúncios na União Europeia

Normalmente, estamos acostumados a ver os Estados Unidos recebendo as novidades tecnológicas antes do resto do mundo. No entanto, a iniciativa da Meta começará na UE devido aos recentes problemas que a empresa enfrentou junto ao bloco econômico.

As regras de privacidade, dados e segurança na Europa são mais rigorosas do que em outras partes do planeta e, por isso, são consideradas uma ameaça ao modelo de negócio atual da Meta. A ideia é apresentar aos usuários a opção de continuar usando as plataformas com anúncios, mas também incluir uma alternativa para aqueles (autorizados por lei) que não desejam ver publicidade.

Recentemente, o Tribunal Superior da União Europeia informou que as propagandas não podem ser exibidas sem o consentimento dos usuários, determinação que motivou a ação da empresa.

Imagem: Sergei Elagin / Shutterstock.com

Relacionadas