Por que o azeite está tão caro?

Nas prateleiras dos supermercados brasileiros, um elemento essencial na culinária de muitas famílias tem apresentado uma escalada significativa de preços. Estamos falando do azeite de oliva, cujo valor tem impactado diretamente o orçamento dos consumidores.

Sendo assim, a pergunta que fica é: o que está por trás desse aumento? Recentemente, uma pesquisa realizada pela consultoria Horus trouxe à luz um dado alarmante: o preço do azeite extra virgem, em suas embalagens de 250 ml, teve um acréscimo de 51,4% no último ano.

Desse modo, fazendo o preço médio saltar de R$ 20,03 para R$ 30,33. Já as versões de 500 ml não ficaram para trás, apresentando um aumento de 43%, elevando-se de R$ 31,58 para R$ 45,17 em um intervalo de 12 meses.

Azeite está mais caro

Cozinheira despejando azeite em uma frigideira
Imagem: RDNE Stock project / pexels.com

A resposta para o aumento dos preços do azeite no mercado não é única, sendo influenciada por uma conjunção de fatores. Assim, a variação do dólar é uma razão significativa, considerando que boa parte do azeite disponível no mercado brasileiro é importada.

Além disso, fatores climáticos adversos nas principais regiões produtoras, como secas e geadas, prejudicaram a última safra, afetando diretamente a disponibilidade do produto e, consequentemente, seu preço.

O preço do dólar exerce um impacto direto sobre o custo de produtos importados, como é o caso do azeite. Com a valorização da moeda americana frente ao real, o custo de importação aumenta, refletindo no preço final para o consumidor. Isso faz com que, mesmo desconsiderando outros possíveis aumentos de preço na origem, o produto já chegue mais caro ao Brasil.

Veja também:

8 novos canais de streaming da Sony serão lançados em TVs; saiba mais

O que os consumidores podem fazer?

Diante dessa realidade, é crucial que os consumidores busquem alternativas para não comprometer a qualidade de sua alimentação. Optar por marcas alternativas que mantenham o padrão de qualidade, sem comprometer os aspectos nutricionais do azeite, pode ser uma estratégia válida. Entretanto, é essencial estar atento aos rótulos e à procedência do produto para garantir uma escolha acertada.

  • Comparar preços. Uma simples pesquisa pode revelar opções mais acessíveis e de boa qualidade;
  • Verificar a origem. Optar por azeites produzidos em países com tradição na olivicultura pode ser uma boa escolha;
  • Atenção aos selos de qualidade. Eles são indicativos importantes sobre a pureza e procedência do azeite.

Em suma, apesar do cenário de aumento nos preços do azeite, com atenção e pesquisa é possível fazer escolhas inteligentes que não comprometam a qualidade da alimentação. Portanto, mantenha-se informado e seja criativo na hora de adaptar sua despensa às novas realidades do mercado.

Imagem: RDNE Stock project / pexels.com

Relacionadas