Carro com câmbio automático: é necessário trocar o óleo da transmissão?

Não se pode negar que o câmbio automático já conquistou o coração de muitos brasileiros. Isso pode ser percebido nos novos modelos de carros que são vendidos no país, pois muitos deles já vêm equipado com esse tipo de peça.

Entretanto, mesmo sendo o tipo de carro dos sonhos de muitas pessoas, é correto afirmar que as dúvidas quanto a esse modelo de veículo ainda são muitas, principalmente quando falamos de aspectos associados à manutenção.

Nesse contexto, muita gente não sabe se é necessário trocar o óleo da transmissão em carros com câmbio automático. Se você é uma dessas pessoas, fique por aqui, pois a Optclean vai esclarecer essas dúvidas de uma vez por todas.

Óleo em carro de câmbio automático: precisa trocar?

De maneira geral, é necessário que seja feita uma avaliação do manual do veículo, pois a necessidade de troca do óleo poderá variar. Portanto, a resposta final para essa pergunta é: depende. Mas deixa que a gente vai te explicar.

É que algumas marcas de carro utilizam o “long life”, ou seja, que vão durar por toda a vida útil do dispositivo. Entretanto, existem outras que sugerem que o líquido seja substituído ou até mesmo inspecionado a partir de certas quilometragens.

Imagem de um homem colocando óleo em um carro
Imagem: mpohodzhay / shutterstock.com

Acontece que o óleo do câmbio é crucial para garantir o funcionamento adequado do sistema de transmissão. Mas ele acaba se degradando com o tempo pela ação térmica, da pressão e até mesmo pelo desgaste natural do produto.

Veja também:

Afinal, comer alimentos queimados pode fazer mal à saúde?

Câmbio automático também conta com embreagem

Por muito tempo, construiu-se um mito de que os carros que vêm equipado com câmbio automático não possuem embreagem. Entretanto, de acordo com André de Maria, engenheiro mecânico, isso não passa de uma ideia falsa.

Ele afirma que as peças que desempenham a função da embreagem são mais compactas e que essa embreagem, por ficar imersa no óleo, apresenta uma vida útil muito maior que as convencionais. Segundo o engenheiro, estima-se que uma transmissão apresente vida útil entre 240 mil km e 500 mil km e que, portanto, não seria necessário substituir os equipamentos de desgaste nesse período.

Imagem: Kostiantyn Voitenko / shutterstock.com

Relacionadas