Brasileiros com estes sobrenomes podem ter direito a cidadania italiana e nem sabiam; confira

Você já se perguntou sobre as suas raízes e sobre a possibilidade de ter dupla cidadania, especialmente a italiana? Na verdade, este é um tema que desperta interesse em muitos brasileiros com descendência europeia.

Sendo assim, a cidadania italiana, em particular, atrai aqueles que sonham com a possibilidade de viver, trabalhar ou apenas estreitar laços com o país de seus antepassados. Desse modo, o processo para obter a cidadania italiana pode parecer complexo à primeira vista, mas com a informação certa e um pouco de perseverança, é perfeitamente viável.

Neste artigo, vamos esclarecer as principais dúvidas e mostrar o caminho para quem deseja embarcar nesta jornada em busca de suas origens italianas.

Por que buscar a cidadania italiana?

Primeiramente, possuir um sobrenome italiano é o suficiente para garantir a cidadania da Itália? A resposta é um tanto quanto complicada e merece um “depende” como preliminar. A chave para essa questão está na compreensão de que, mais do que o sobrenome, o que realmente conta é a descendência comprovada de um cidadão italiano. Porém, estes sobrenomes abaixo têm origem italiana:

Bandeira da Itália num céu azul
Imagem: JÉSHOOTS / pexels.com
  1. Barbieri;
  2. Bernardi;
  3. Bianchi;
  4. Ceccon;
  5. Conti;
  6. Colombo;
  7. Coppolla;
  8. Esposito;
  9. Ferrari;
  10. Grasso;
  11. Lombardi;
  12. Mancini;
  13. Morelli;
  14. Pagani;
  15. Rizzi;
  16. Rizzo;
  17. Spina;
  18. Spinelli;
  19. Valentini;
  20. Volpato;
  21. Zanatta.

A cidadania italiana é desejada por diversos motivos, desde a facilidade de viajar e viver nos países da União Europeia até a conexão emocional com a terra de seus ancestrais. Além disso, o acesso a um sistema de saúde de qualidade e a possibilidade de estudar em instituições europeias com custos reduzidos são atrativos inegáveis.

Como descobrir se você tem direito?

O primeiro passo é investigar sua árvore genealógica. Ter um sobrenome italiano é, sem dúvida, um bom indicativo, mas é vital confirmar a existência de um antepassado nascido na Itália. Este processo pode ser um desafio por si só, exigindo pesquisa em registros antigos e, muitas vezes, a ajuda de profissionais especializados na área de genealogia.

Veja também:

Como controlar a compulsão alimentar?

Ademais, a coleta de documentos é uma etapa crucial para provar o vínculo familiar com o antepassado italiano. Aqui estão alguns dos documentos mais importantes:

  • Para o antepassado italiano: Certidão de nascimento, certidões negativas de naturalização, certidões de casamento (se aplicável), e certidões de óbito;
  • Para o descendente: Ficha de cadastro preenchida, comprovante de residência, e identidade (RG).

A lista pode variar conforme o caso, então é sempre recomendável confirmar com o Consulado Italiano mais próximo. Porém, reunir toda a documentação necessária é apenas o começo. Verifique regularmente se há atualizações nas leis de cidadania italiana e mantenha contato com o consulado para garantir que seu processo esteja seguindo os trâmites corretos.

Imagem: JÉSHOOTS / pexels.com

Relacionadas