Afinal, sexo virtual também é sexo? Entenda

Na era da tecnologia e com os relacionamentos se adaptando a novos formatos, o sexo virtual surge como uma alternativa intrigante e, para muitos, satisfatória. Todavia, será que essa prática pode ser considerada uma faceta legítima do sexo?

Recentemente, uma discussão interessante surgiu durante um episódio do programa Surubaum, apresentado por Giovanna Ewbank e Bruno Gagliasso, envolvendo as convidadas Ingrid Guimarães e Heloísa Perissé sobre a validade e as sensações do sexo virtual.

Embora Ingrid Guimarães tenha compartilhado suas reservas sobre a segurança dessa prática, o fato é que, para muitos, o sexo virtual não apenas serve como uma ponte para o prazer, mas também como a única opção viável para manter a intimidade em relações à distância.

Como iniciar o convite para o sexo virtual?

Pessoa com prazer puxando um lençol de cama durante orgasmo
Imagem: feeling lucky/ shutterstock.com

Segundo a terapeuta sexual Amanda Nunes, o primeiro passo é abordar o assunto com transparência, expressando desejos e vontades sem medo do julgamento. Assim, preparar o terreno falando sobre fantasias pode ser uma excelente maneira de fazer o convite. A especialista sugere usar o momento atual para estimular essas conversas, lançando então a pergunta: “Já pensou em sexo virtual?”

Para que o sexo virtual seja uma experiência prazerosa, é fundamental cuidar da ambientação. Amanda recomenda organizar o cenário, ajustar a iluminação e até mesmo se arrumar para a ocasião, como se fosse um encontro físico. Além disso, as preliminares, mesmo à distância, são essenciais para estimular um ao outro e aumentar o desejo.

Apesar das possibilidades excitantes, o sexo virtual requer cuidados, especialmente em relação à privacidade e segurança das imagens compartilhadas. A confiança entre os envolvidos é fundamental para uma experiência segura e satisfatória. Adotar medidas como não incluir o rosto ou características identificáveis nas imagens pode ser uma estratégia para preservar a intimidade.

Veja também:

Brasil passa exigir vistos de 3 países; saiba quais são

Como superar a ausência da câmera: o sexting

Para aqueles que, por algum motivo, não podem ou preferem não usar a câmera, o sexting surge como uma alternativa viável. Essa modalidade permite explorar desejos e sensações através de textos, criando um ambiente íntimo e convidativo sem a necessidade de imagens visuais.

  • Usar Brinquedos Sexuais: Investir em sex toys que possam ser controlados à distância pode adicionar uma nova dimensão ao sexo virtual, permitindo que parceiros explorem sensações mesmo separados por longas distâncias;
  • Sexo Virtual Casual: Para quem está solteiro, o sexo virtual também pode ser uma opção interessante para manter encontros casuais, sempre levando em consideração a confiança e medidas de segurança para evitar a exposição indevida.

Imagem: Brastock / shutterstock.com

Relacionadas