Afinal, quais são os riscos de dormir perto do celular?

Nos dias de hoje, o celular tornou-se uma extensão de nossas vidas, acompanhando-nos em praticamente todos os momentos do dia, inclusive na hora de dormir. O hábito de manter o telefone próximo durante a noite é cada vez mais comum, impulsionado pela conveniência de acessar mensagens, redes sociais e entretenimento antes de adormecer.

No entanto, a relação entre o uso do celular nessa hora e os riscos potenciais à saúde é uma questão que merece nossa atenção. Este texto explora os riscos associados a essa prática aparentemente inofensiva e fornece uma visão abrangente sobre como o uso do celular próximo ao sono pode afetar nossa saúde.

O vício

O vício em dispositivos móveis pode ser agravado pelo uso constante do celular antes de dormir. O acesso a conteúdos nas redes sociais, jogos e mensagens durante a noite pode criar uma dependência prejudicial, levando a um ciclo de insônia, uso excessivo do celular e, consequentemente, mais dificuldade para prolongar o sono.

Imagem: kudla / shutterstock.com

É importante lembrar que o celular também pode ser uma fonte de tensão. Mensagens de trabalho, notícias perturbadoras ou discussões em redes sociais podem aumentar o nível de estresse e ansiedade, dificultando ainda mais o relaxamento e o descanso necessário durante a noite.

Os riscos à saúde relacionados ao uso do celular

Um dos principais riscos de dormir perto do celular é a exposição à radiação emitida pelo aparelho. Os dispositivos móveis emitem radiação não ionizante, o que, embora em níveis considerados seguros, ainda levanta preocupações.

A exposição prolongada a essa radiação pode estar relacionada a problemas de saúde, embora estudos definitivos ainda estejam em andamento.

Além da exposição à radiação, dormir próximo ao aparelho também pode afetar a qualidade do sono. A luz azul emitida pelas telas dos dispositivos móveis interfere na produção de melatonina, o hormônio responsável pela regulação do sono. Isso pode resultar em dificuldades para adormecer, sono fragmentado e insônia.

Imagem: kudla / shutterstock.com

Relacionadas